domingo, 23 de maio de 2010

Cachaça

Imagem do google

A cachaça é companhia, que pouca gente dispensa
É amiga sem valor, rainha das desavença
Presente em toda festa, faz a cabeça do povo
Quem dela prova uma vez, pode crêr, que quer de novo

Dama de muitos amores é paixão de muitos donos
Quem por ela se apaixona
Acaba sempre na lona
No mais triste abandono...


É coisa muito engraçada a danada da cachaça
Se você vive sem ela acha a vida sem graça
Mas, se você bebe ela, vive uma contradição
Quer largar mas não consegue, passa a vida no balcão

Ora em pé, ora deitado
Sozinho ou acompanhado
Falta roupa e falta pão
Cachaça não falta não, pra quem vive embriagado...

Cachaça cai na barriga vai direto pra cabeça
Embaça as vista enrola a fala as pernas é que ficam bestas
O cabra anda balançando feito pendão de capim
Não caminha em linha reta, a sarjeta é seu fim...

Falo não por que não gosto, mas por ser conhecedor...
Já fui um dos seus amantes levei uma vida errante
Por causa do seu amor

Pra você agora eu deixo um recado bem sincero
O que aconteceu comigo pra nenhum de vocês eu quero
Não se deite com essa dama que é chamada de cachaça
Pois esse amor sempre termina, de modo muito sem graça

Seu beijo queima igual fogo
Mais é doce feito mel
Faz da vida, festa louca, mas depois deixa na boca
O triste amargo do fel.

Nenhum comentário:

Postar um comentário