sábado, 27 de fevereiro de 2016

Quando Caímos


Aquiete-se e tenha fé, por acaso, acredite nada é,
Cada um é aquilo que é, vivendo conforme  acredita,
Cada um sofre as dores que na vida tem que viver,
Suportando pela vida, o conjunto de suas desditas.

Só quem sofre os tormentos e os espinhos das dores,
Só quem suporta o peso que tem a sua pesada cruz,
Sabe onde o sapato aperta, onde mora seus dissabores,
Sente as trevas que insistentemente atenta contra sua luz.

Por isso mesmo limite-se a amar e nunca se apresse em julgar,
Se coloque no lugar do outro e tente suas dores entender,
E verás que as vezes a loucura e a morte, nos parecem ser solução.

E já cegos de medo e de dor, desistimos sem forças pra esperar,
E então  não  suportando o fardo, sufocados de tanto sofrer,
Desistimos de tudo e falidos caímos, suplicante pela compaixão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário